"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato...

Ou toca, ou não toca." (Clarice Lispector)
"Eu me recuso a ser sócio de qualquer clube que me aceite como sócio." (Grouxo Marx)
"Repara bem no que não digo." (Leminski)
"Meu epitáfio será: Nunca foi um bom exemplo, mas era gente boa" (Rita Lee)

I am not but I am

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
essa metamorfose ambulante...

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Eu borboleta

Sou uma novela mexicana. Sou uma novela mexicana bem explícita e fui tirada do ar por conteúdo inadequado, violência demais, palavreado chulo demais, nudez demais, mutilação demais. Tudo demais, minha novelinha mexicana tosca é excessiva, mostra demais, diz demais, exala demais. E agora foi tirada do ar, irônico, não? É tudo o que pedem e é tirada do ar, cortada, censurada num golpe só.
Mas que novela é essa de uma personagem só, né? Ridícula, não tem estória, não tem trama, não tem nada. Mas sou novela mexicana, daquelas bem bregas e dramáticas ao extremo. Nasci novela mexicana e morrerei novela mexicana.

Sou praticamente um "Canavial de não-paixões".

Proibíram a mim, novela mexicana, de praticar a quem quisesse, todas as ínfimas ações - e transgressões -, de que tenho posse. Como sempre não dou lucro algum aos meus produtores. Mas enfim.
Só me resta reeditar todo o roteiro e seguir em frente... Isso dá medo e é doloroso, aquelas personagens tão gêmeas, tão completas... É, tá, tchau pra elas. O novo roteiro implica mudanças drásticas, foda-se, mesmo assim manterei o palavreado chulo, é minha marca maior, talvez não a única, mas é a mais perceptível... O palavreado chulo, a falta de pudor, a sacanagem explícita citada e feita - epa -, a liberdade de expressão, os abandonos sem explicação, a raiva endemoniada, enraizada além dos poros, o chororô e a tristeza desmedidos, o raciocínio primeiro inapto, a frieza descomunal, a total falta de confiança e segurança. São tantas as marcas...

Contudo, de novela mexicana incorporo em borboleta. E o que há de tão surpreendente e magnífico em ser borboleta além de me metamorfosear? Voar pra bem longe, para onde não possam me ver? Não ter ninguém? Ser "livre"? Livre de que? O meu passado me persegue, o meu eu não me deixa em paz. Mas se borboletas não têm parceiras, então talvez eu seja mesmo uma borboleta. E talvez um dia eu realmente suma, voe para bem longe, bem longe, e não dê mais notícias, e nunca reproduza, e nunca seja feliz, essas coisas de borboleta amaldiçoada... Mas ainda não sei o que há de tão esplendorosamente sensacional em ser borboleta, até agora só me deu desgosto e mais insegurança.

É muito estranho a maneira como certas coisas tão pequenas me atingem de forma tão grande. E é aí que me deixo rolar... Nunca vou esquecer dessa conversa.


"Há muitas razões para duvidar e uma só para crer."
(Carlos Drummond de Andrade)