"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato...

Ou toca, ou não toca." (Clarice Lispector)
"Eu me recuso a ser sócio de qualquer clube que me aceite como sócio." (Grouxo Marx)
"Repara bem no que não digo." (Leminski)
"Meu epitáfio será: Nunca foi um bom exemplo, mas era gente boa" (Rita Lee)

I am not but I am

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
essa metamorfose ambulante...

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Alba del Rojo

Alba del Rojo era infalível na arte de adivinhar e esbarrar em colunas d'água, ela jamais sentia temor ao descobrir segredos escondidos sob tapetes e sofás. Acordava sentindo-se tonta e com dores na cabeça e coluna. Alba era de estatura mediana e corpo delgado, olhos de cigana traiçoeira, pele macia e cabelo arroxeado, desde pequenina com altas inclinações para os mistérios de Pandora e alucinações taciturnas.
Alba, mulher madura e letrada, independente e ávida. Aos 26, pariu mais bela criatura, Abella Rojo Delasarmenta. Alba, mulher sensual e incorruptível.
Aqui estou, desolada do mundo, assistindo a vultos convulsos, tempestades rotineiras e à vida inexorável. Aqui estou, montada na mortandade intemporal e na irreal e nefanda estrutura de solidariedade e Amor. Sou egoísta e vôo alto com os pés fincados, sou egoísta e durmo profundo de olhos abertos, sou egoísta e me permito sonhar com amores cansáveis e aventureiros, livres de delimitação e nobres orgasmos esquálidos, fingidos e dolorosos.
Eu sou minha única mulher. Me tatuo a marca do tempo.








Eu quero mesmo é alguém que me faça mudar completamente de opinião. Que faça meu corpo querer companhia nos momentos em que minha mente insiste pela solidão. (Caio Fernando Abreu)

2 comentários: