"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato...

Ou toca, ou não toca." (Clarice Lispector)
"Eu me recuso a ser sócio de qualquer clube que me aceite como sócio." (Grouxo Marx)
"Repara bem no que não digo." (Leminski)
"Meu epitáfio será: Nunca foi um bom exemplo, mas era gente boa" (Rita Lee)

I am not but I am

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
essa metamorfose ambulante...

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

O Elogio Perdido




    Por que toda borboleta tem essa maldita sede de voar? Por que não lhes basta repousar em um abrigo confortável?


    Como você pode afirmar que toda borboleta tem sede de voar? E se essa sede for esgotável? E se elas têm sede de voar, não pelo ato de voar, mas por encontrar um abrigo confortável, e por isso voam sem parar? E depois, o que é confortável e seguro nesse mundo? Segurança não existe, paz não existe, confiança não existe, amizade não existe, Amor não existe, céu e inferno não existem, Deus não existe, é tudo invenção. Você e eu também não existimos. Ou somos nada, ou somos tudo, se tudo não somos, nem nada, então somos porra nenhuma, o resto dos restos, o intragável. Mas talvez você seja alguma coisa mais que tudo e eu que não seja absolutamente nada, talvez você exista sozinha e respire sozinha, talvez você seja um "abrigo confortável" e eu não seja digna de repousar. Talvez não seja nem pela sede de voar, mas apenas isso, uma borboleta maldita.











 "Há um poema dentro de mim. Destes de marejar os olhos, de sentir orgulho. Só pode ser um poema de amor. Detalhando os caminhos pelas cicatrizes e encontrando algo desacreditado, um sonho sem visitas, tua verdade mais bem protegida. O poema mistura versos e prosa despreocupado de rimas e intenso na escolha das palavras. Sim, falará dos beijos molhados e dos corpos livres. Mas também vai lembrar da primeira carta guardada no criado mudo, próximo da nossa fé. Vai lembrar do olhar debaixo da chuva. Provavelmente descreverá a beleza de um ponto de vista totalmente parcial. Ele carrega a minha palavra mais preciosa e um ponto final elegante. Completa os sentidos que deixei pelo caminho, refaz meus passos por tudo que aprendi, abre os braços para tudo que não sei. Será uma composição que não saberei reproduzir, única, de forma bruta e deverá permanecer em palavra. Um poema que sussurra, mas não quer sair. Está a espreita de um raiar de Sol mais adequado. Ele é muito natural, mistura estrelas e flores com sentimentos. Quase tem cheiro. É um horizonte preenchido, uma paz conquistada, uma rima com o 'você'."

“Te amo da maneira mais egoísta possível.” (Ensejos)


“Se tu vens, por exemplo, 
às quatro da tarde, 
desde as três eu começarei a ser feliz.” (O Pequeno Príncipe)

“Toda mulher é doida. Impossível não ser. A gente nasce com um dispositivo interno que nos informa que sem amor, a vida não vale a pena.” (Martha Medeiros)

“Baby, I’m yours
And I’ll be yours until two and two is three
Yours, until the mountains crumble to the sea
In other words, until eternity.” (Baby I'm yours - Arctic Monkeys, Barbara Lewis Cover)

“— Fica comigo?
— E se não der certo?
— A gente tenta de novo."

Nenhum comentário:

Postar um comentário